O meu Pé de Laranja Lima - José Mauro de Vasconcelos

Olá, bonitinhas! Primeiro livro do ano, primeira resenha do ano, primeira postagem do ano. Quero agradecer de coração às pessoas que leram meu "desabafo" do ultimo post, compreenderam meus motivos e não abandonaram o blog. Vocês são umas lindas, mesmo! :) Espero que gostem da resenha e comentem. PS: To saudosa.

Título: O Meu Pé de Laranja Lima
Autor: José Mauro de Vasconcelos
Editora: Melhoramentos
Páginas: 183

Zezé, nosso protagonista, é um menino de cinco anos com uma curiosidade e imaginação infindável que pertence a uma família numerosa e de pai desempregado. Apesar da inteligência precoce, como gostam de lhe dizer, Zezé é levado e vive apanhando. As travessuras do menino vão de assustar vizinhos com cobras feitas de meias finas à passar cera de vela na calçada e assistir os coitados desatentos caírem no chão. 

Vindo de família pobre, Zezé não tem os privilégios que os meninos mais fortunados, tem. Seus brinquedos são de segunda mão e poucos, o que faz com que ele tenha de ser extremamente imaginativo para conseguir alguma diversão. E é assim que ele constrói um circo e umjardim zoológico dentro de seu quintal, fazendo de galinhas pretas, panteras selvagens.
- Você vai longe, Peralta. Não é a toa que você se chama José. Você será o Sol e as estrelas irão brilhar ao seu redor.
Fiquei olhando sem entender e pensando que era mesmo trongola.
- Isso você não entende. É a história de José do Egipto. Quando você crescer mais, eu conto essa história.
Eu era doido por histórias. Quando mais difíceis, mais eu gostava.
Alisei meu cavalinho bastante tempo e depois levantei a vista pro Tio Edmundo e perguntei:
- A semana que vem, o senhor acha que eu já cresci?...
Durante as surras, seus familiares raivosos diziam que o garoto não prestava; era afilhado do diabo; tinha a peste no sangue e aos poucos, Zezé começa a acreditar. Para suprir as carências sociais e afetivas, ele faz amizade com um Pé de Laranja Lima, batizado Minguinho/Xururuca, uma arvorezinha que ficava no quintal de sua nova casa. Outras amizades são feitas, mas é com o Portuga que Zezé encontra a ternura desejada.

A linguagem do livro é tão simplória e bonita que chega a ser tocante. De muita fácil compreensão, a maneira regional de se falar, conquista o leitor e o aproxima da realidade sofrida daquele povo. A sensibilidade de Zezé e a idade mental dele me surpreenderam e me encantaram.
- Onde queres ir?
- Só sair daqui. A gente podia ir até o caminho do Murundu. É perto e não gasta muita gasolina.
Ele riu
- Não és muito criança para entenderes dos problemas de gente grande?
A pobreza lá em casa era tanta que a gente desde cedo aprendia a não gastar com qualquer coisa. Tudo custava muito dinheiro. Era caro.
A surras que o pobre menino recebia me deixava indignada. Zezé tinha marcas e cortes e ficou de cama depois de algumas, e tudo porque se recusava a jantar ou falava palavrões. Me deixava com a sensação que a frustração da vida difícil pela qual todos passavam, era descontada das costas do garoto de cinco anos.
- Mas ele me bateu tanto, tanto, Portuga. Não faz mal...
Funguei compridamente.
– Não faz mal, eu vou matar ele.
- Que é isso menino, matares teu pai?
- Vou sim. Eu já até que comecei. Matar não quer dizer a gente pegar revolver de Buck Jones e fazer bum! Não é isso. A gente mata no coração. Vai deixando de querer bem. E um dia a pessoa morreu.
José Mauro de Vasconcelos escreveu - em doze dias - um livro cru e real, com uma verdade dolorida e um retrato fiel da classe baixa. O Meu Pé de Laranja Lima se revela um livro reflexivo, também. A doçura do livro fica encarregada de Zezé e sua amizade, tanto com o Minguinho, quanto com o Portuga e seu carinho pelo irmão mais novo, Luís. A doçura está na curiosidade voraz do menino, instigado pelo mundo e seus segredos; está na sensibilidade dele com os sentimentos e as dores alheias; está nos sonhos de uma vida/infância melhor. 

Classificação

25 comentários:

Jovens Leitoras disse... [Responder comentário]

Eu não conhecia esse livro, até você postar um trecho dele, há um tempo.. Parece ser muito doce mesmo.
Só lendo sua resenha, já fiquei "indignada", pelos mesmos motivos que você!

Beijos, Bárbara.

Aione Simões disse... [Responder comentário]

Oi Lu!
Que bom te ver de volta ^^
O livro deve ser muito triste e tocante! Acho que você conseguiu deixar transparecer bem o quão doce e cruel ele é, ao mesmo tempo.
Legal isso dos vocábulos utilizados, deve aproximar mais o leitor da obra!
Adorei sua resenha!
Beijão!

Andressa Tomaz disse... [Responder comentário]

Oi Luana!
Nunca li este livro, mas falam que é muito bom mesmo! Só que não fazia ideia qual era a história dele. Achei que fosse um livro com uma temática mais infantil, não imaginei que tivesse toda essa reflexão ou até mesmo que o garoto apanhava. Parece um livro triste!

Beijos!

Adriane Gomes disse... [Responder comentário]

Adoro estórias que abordam este tipo de enredo, e que nos deixam reflexivos! Adorei a resenha, gostaria de ter a oportunidade de lê-lo :)
Bjs, Dri

http://arquivocult.blogspot.com/

Books Journal disse... [Responder comentário]

Já disse que esse livro foi minha infância né? Eu acredito já ter lido ele umas 3 vezes. Amo de paixão e adorei sua resenha com os trechos das porradas que o tadinho levava. Ele realmente soooofre! E as lições que aprendemos com ele são realmente dignas de um ancião. O trecho de mais forte que você colocou foi esse do "um dia a pessoa morreu". Forte, profundo e filosófico. Eu pretendo reler esse livro esse, tua resenha me deu uma saaaaudade <3333

Beeeijo e que bom que você está de volta lol
Kaká

Ana Ferreira disse... [Responder comentário]

Luu,

Que bom que você voltou! Todos nós precisamos de férias de vez em quando, se não fica pesado demais...

Confesso que estive esperando ansiosamente pela sua resenha e gostei do resultado, mas deu para notar que o livro é beeem mais melancólico do que eu pensava. Triste, até. É meio chocante que uma criança já tão miúda entenda tanto das coisas ruins da vida. Deixa a gente com muito na cabeça pra pensar...

Estou realmente curiosa pra ler esse livro, apesar de tudo.

Beijinhos,
Ana - Na Parede do Quarto

Thaís Cavalcante disse... [Responder comentário]

Lu! Acredita que li este livro quando tinha meus 12 anos? É, o Zézé é uma criança espantosa e meio patética, afinal ele conversava com uma árvore! Digo isso porque o José Mauro usou elementos de um lugar onde eu morava, Bangu! Ele usa as ruas, a fábrica e até a história de um cara que dava brinquedos para as crianças.

Me bateu uma saudade quando li sua resenha. Lerei este livro novamente, com certeza! :D

Um beijão,
Pronome Interrogativo.
http://www.pronomeinterrogativo.com

junior disse... [Responder comentário]

cara esse livro é ótimo. Ganhei ele quando criança. é um livro um pouco triste mas muito bom. o interessante é que uma parte dos problemas do Zezé é pelo fato dele simplesmente ser uma criança alegre e criativa. Acho sofri um pouco na infância por causa disso. É um ótimo livro, nossa faz mtooo tempo que o li , vou ver se o encontro aqui em casa. ótima resenha bjao

Igor Gouveia disse... [Responder comentário]

Oi tudo bom? Então, é a minha primeira visita aqui no seu e poxa, estou adorando! Estou seguindo e voltarei mais vezes!

Adorei a resenha! Fiquei com muita vontade de ler o livro :]

Também tenho um blog, passa por lá? Te deixo o link dele:
http://25conto.blogspot.com/

Flávia Pachêco disse... [Responder comentário]

Oi Luana! Eu só conhecia o livro porque já tinha visto um post sobre ele aqui no seu blog, haha. E eu simplesmente amei a resenha! O livro parece ser muito interessante, sensível, tocante. Coitadinho dele, um garotinho de 5 anos levando tantas surras?! Poxa, que triste. Espero que eu tenha a oportunidade de ler esse livro um dia. E que bom que você está de volta ^^

Beijão { http://17ezesseteinvernos.blogspot.com/ }

Nicholas disse... [Responder comentário]

Luana! :D
Esse foi um dos livros que vc pediu no amigo oculto né?

Conheço ele por outra capa, mas na centésima edição ele deve ter tido 398938 capas haha

Mentira que o menino apanhava assim? *indignado com vc* D:
E sério que o autor escreveu o livro em 12 dias? O_O
bjs,
tudo por um livro.

Gabriela Wegner disse... [Responder comentário]

Não conhecia o livro, mas fiquei muito curiosa.
Amei a sua resenha...
Gosto de livros realistas, apesar de ficar um pouco desacreditada depois de lê-los...
Infelizmente, ainda vivemos em uma realidade assim: onde os pais descontam os problemas batendo nos filhos...
Fiquei bem curiosa para ler o livro.
Sua resenha me encantou tanto quanto o livrou encantou-te.
Beijos

Karine Marinho disse... [Responder comentário]

Nunca pensei que o livro fosse sobre isso. Agora fiquei muito curiosa quanto a leitura e revoltada por não tê-lo lido quando tive a oportunidade. Amei o último quote!
Beijos,K.
Girl Spoiled

Effy disse... [Responder comentário]

O livro parece ser bem legal, não li, mas já conhecia. Tadinho do Zé, parece que sofre com essas surras..Me interessei, vou ver se encontro ele..

Ótima resenha
Beijos :D

Luara Cardoso disse... [Responder comentário]

Eu conhecia o título desse livro. Mas quando ouvi alguém falar, pensei que fosse algum tipo de livro infantil, sabe?
Essa é a primeira resenha que vejo dele, e ele é totalmente diferente do que eu esperava.
Adorei a história e realmente me interessei. :)

Um beijo,
Luara - @luuara
http://estantevertical.blogspot.com/

Marina Oliveira disse... [Responder comentário]

Adorei a resenha... Tenho muita vontade de ler esse livro, parece ser lindo demais *-*, sem falar que é repleto de elogios.
Espero ter a oportunidade de lê-lo. :)
Beeeijos

Marina Oliveira
http://distribuindosonhos.blogspot.com

Loucos Por Livros! disse... [Responder comentário]

Quando você já falou do livro pro aqui, eu já fiquie curiosa por ele. E depois de sua resenha, fiquei muito mais! Tadinho do Zezé! Apanhava sem parar e o diálogo do desejo de matar o pai foi bem forte. Adorei! E bem legal saber que oe scritor escreveu o livro em apenas 12 dias! :)
Adorei a resenha!
Beijos ;*

Ana Carolina
http://loucospor-livros.blogspot.com

Thaís Varine disse... [Responder comentário]

Eu li há muitooo tempo atrás e gostei bastante na época. Pegaria facilmente de novo essa obra pra ler ;D
Beijos

Leitura entre amigas disse... [Responder comentário]

Oii Luana!!
Saudades das suas resenhas!!! ^^
Meu pé de laranja lima é um livro realmente tocante, e emocionante, não é à toa que foi um dos livros que marcaram a minha infância!
Muito lindoo mesmo, super recomendo :)
Beijos!

Nathália Risso disse... [Responder comentário]

Oi Lu!
Tudo bem? Meu ano novo foi ótimo e o seu? *.*
Nunca li esse livro, e não conhecia! Mas pela sua resenha, ele parece maravilhoso! Só leio resenhas super positivas dele :)
Gostei bastante da história, e com certeza, você me deixou com muita vontade de ler!
Obrigada pela visita e pelo comentário!
Tem post novo, passa lá :)
Beijos,
Nathi
@bookswonderland
Books in Wonderland

Bianca Sampaio disse... [Responder comentário]

Oi, Luana!
"Matar não quer dizer a gente pegar revolver de Buck Jones e fazer bum! Não é isso. A gente mata no coração. Vai deixando de querer bem. E um dia a pessoa morreu." Adorei isso, muito profundo e tocante.
Fico indignada com essas situações, pais batendo nos filhos, nunca achei que nada disso fosse educar de fato.
Adorei a resenha, o livro parece ser realmente incrível!

Beijos,
Bianca - Epílogos e Finais

Sofia disse... [Responder comentário]

Lu, já tinha lido sobre o livro, e agora com sua resenha fiquei muito interessada. Já li vários livros como esse e eles são realmente lindos. Gosto do gênero também, sinto uma paz, sei lá. Diferença...

Beijoooos

Lendo de Tudo

Bruna disse... [Responder comentário]

Baixar o Filme - O Meu Pé de Laranja Lima - A pobreza, a solidão e o desajuste social vistos pelos olhos ingênuos de uma criança de seis anos - http://mcaf.ee/yj2nw

Postar um comentário

Os comentários serão retribuidos em seu blog, desde que não sejam de carater apenas de divulgação. Comente o que realmente achou! Obrigada :)