Delírio - Lauren Oliver

Título: Delírio
Título original: Delirium
Autor(a): Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Numero de páginas: 342
Cedido de parceria pela Intrínseca

A narrativa de Lauren Oliver não foi exatamente um ponto forte em Antes que eu vá, seu livro de estreia; talvez pelo fato de que os dias se repetiam durante todo o livro e isso deu a impressão de lentidão à leitura. A história em si foi bem construída e agradável, mas não notei nenhuma relação com Delírio. Aliás, a Oliver evoluiu tanto sua escrita que eu quase me esqueci que já a conhecia.   

Delírio nos conta a historia de uma sociedade distópica onde o amor, antes considerado o sentimento mais sublime, é considerado uma doença. Graças ao presidente e o Consórcio, porém, têm cura. Quando completam 18 anos todas as pessoas precisam passar pela intervenção, procedimento cirúrgico que cura qualquer indício de amor delira nervosa. (Digo “precisam” para não dizer são obrigadas – e elas são -, o que passa a ideia de que há muitas objeções; há claro, mas a maior parte da população está ansiosa para que seu dia de intervenção chegue e eles possam viver num mundo sem dor, sem surpresas emocionais, só na paz e letargia oferecidas.)

Nossa protagonista é Lena, uma garota com nada de extraordinário que anseia pelo dia em que o Governo irá escolher seu par pelo qual ela não nutrirá nenhum sentimento só para não passar pela amedrontadora ideia de que alguém, no mundo, realmente iria escolhê-la para se tornar sua esposa. Ela está convicta que com a historia de que amor delira nervosa em seu sangue – sua mãe teve - possa fazer qualquer pessoa se esquivar dela, como se a doença ainda fluísse em suas veias e eles pudessem contraí-la só falando com ela. Então, noventa dias antes de sua intervenção, acontece o impensado: Lena se apaixona. 

Os personagens foram muito bem construídos e a maneira como evoluíram foi maravilhosa; Lena era uma garota obediente, cega e grata aos cientistas e governo e, no minuto em que acha que contrai a doença, começa a quebrar regras; sair depois do toque de recolher para encontrar Alex, gargalhar até sentir dor, tocar um membro do sexo oposto, por exemplo. Hana, melhor amiga de Lena, é uma personagem muito cativante, corajosa e leal. Tinham uma cumplicidade, um carinho mútuo de invejar. Mas Alex é meu personagem favorito, sem duvidas. Ele lia vorazmente e escutava músicas, mesmo sendo proibido e gostava de poesia não do jeito afeminado, mas do jeito bonitinho e másculo e não tinha medo de sentir; ele transpirava esperança. 

O ritmo nas primeiras 50 e poucas páginas é um pouco lento, introdutório, mas necessário. Precisamos de uma introdução, uma explicação, precisamos visualizar e nos convencer sobre o mundo sem amor já que parece absurdo à primeira vista. Oliver nos conduz de modo que acreditamos verdadeiramente no mundo que nos foi criado, consegue nos deixar absortos com as informações e a originalidade sobre o tema começa a conquistar. A maneira como ela escreve é quase poético; a forma como descreve sentimentos humanos usando cores, sensações e descrevendo lugares e reações que eu quase pude ver – porque eu definitivamente senti -. 

Delírio me tocou de várias maneiras, me abriu os olhos e me manteve pensando em sua história por dias a fio, impressionada e aterrorizada com a possibilidade de existir um mundo assim. Uma sociedade sem amor. Uma sociedade sem amor não só ao sexo oposto, mas onde mães e filhos não tem nenhuma ligação especial, onde mesmo um abraço entre pessoas não curadas pode ser considerado uma afronta e acarretar em punição. Uma sociedade sem livros, sem música, sem sonhos. Os curados não sonhavam nos dois sentidos da palavra: nem durante a noite e tampouco tinham ambições. 

Acho que esse é um dos poucos livros que já li que possa dizer, indubitavelmente, que é uma historia de amor e liberdade. Não digo amor entre Lena e Alex, o livro não é focado no casal (apesar de ter sido doce na medida certa e tenha me agradado muito!), mas amor no sentido mais amplo. Porque é o amor que sentimos por nossas mães, irmãos, amigos, namorados, animais de estimação, livros, uma música e uma determinada cor, por exemplo, que nos torna livres, que nos dá vontade de continuar. O amor destrói sim, mas cria com trinta vezes mais afinco. 

”- Sabe que não é possível ser feliz a não ser que às vezes se sinta infeliz, certo?” 

Classificação:
5 de 5 (Ótimo)

26 comentários:

Júlia Galo disse... [Responder comentário]

"O amor destrói sim, mas cria com trinta vezes mais afinco." Adorei a resenha! Gostei muito das suas observações finais, posso estar errada mas, se o livro por exatamente como você descreveu, creio que muitas pessoas deveriam ler. Afinal, por mais que essa ideia pareça ser muito estranha, existem sim pessoas que tem medo do amor, medo de amar. Existe coisa mais gostosa do que saber que se está com "amor delira nervosa"? Não! Hahah. Gostei muito Lu, pretendo ler em breve. Parabéns, sei que deve ler muito isso mas não custa repetir: A sua escrita é maravilhosa, suas resenhas se aperfeiçoam cada dia um pouco mais, o que me faz visitar seu cantinho todo tempo, esperando algo novo. Beijão Lu! ^^

Karla Vieira disse... [Responder comentário]

Ganhei este livro de aniversário essa semana e agora, depois de ler essa resenha maravilhosa sobre ele, fiquei muuito inspirada para ler! Suas resenhas são sempre muito bem feitas, e gosto muito disso! Gostei também das suas observações sobre o livro e sobre o amor em si, com a frase "O amor destrói sim, mas cria com trinta vezes mais afinco".

PamFardin disse... [Responder comentário]

A capa é lindíssima, não é nenhum mistério, não é? Livros assim que me deixam impressionada são sempre os melhores. Ter a ideia de uma sociedade sem amor é triste e nos faz refletir, acho que temas assim são pontos fortes em um livro, não o amor eros (claro que sem ele, não tem tanta graça xD), mas sim o amor philia, que é aquele da generosidade e amizade, pela família e pelo próximo :D
Adoro suas resenha, Lu *---* Delírio já está na minha listinha :D

Beijos
aritmeticadasletras.blogspot.com

Jacqueline Braga disse... [Responder comentário]

Oi Lu
amo o jeitinho com o qual você descreve a história e os seus sentimentos pós-leitura (já falei que sou sua fã? ah então falo agora:cara, sou sua fã!!! rs).
Eu amei o livro, e apesar de não ter dado 5 estrelas para antes que eu vá, a narrativa de Lauren foi o motivo pelo qual me apaixonei pelos livros dela.
O amor ser considerado uma doença me espantou, mas gostei de cada argumento utilizado por Oliver, inclusive, a citação de Romeu e Julieta, como se fosse um "aviso" sobre os perigos de "amar".
O final é de suplicar pela continuação, e agora é roer as unhas para Pandemônio.
Bjos

Jack do @Mybooklit

Nathália disse... [Responder comentário]

Oi Lu,

Essa foi a primeira resenha de Delírio que eu li, mais eu já tinha visto o livro e só pela capa e pela sinopse já tinha ficado na ânsia de comprar, mas tinha medo, porém agora estou bem mais segura.

Delírio me faz lembrar a importância do amor, e olhando por pensamentos próprios (por fora do que está descrito no livro), acredito que ninguém era realmente curado do amor, apenas tinham a ilusão.

Emfim, vou tratar de colocar Delírio como uma das minhas próximas leituras. E só para não deixar de elogiar, adorei a sua resenha, ficou bem construída.

--
Beijos,
@NattyMS_

Danniele disse... [Responder comentário]

Oi, Lua!

Assim que ouvi falar sobre "Delírio" eu me interessei *-* Estou adorando esse mundo distópico (acabei de resenhar uma distopia lá no blog) e quando vi a sinopse falando que existia uma cura para o amor eu achei muito interessante.
Pelo que puder ver com tua resenha (muito boa por sinal) é um livro que eu leria com certeza!

Beijos :*

Camila Costa disse... [Responder comentário]

só de PENSAR em ler esse livro já me dá um arrepiozinho, aquele pressentimento que diz que eu VOU.AMAR.MUITO. então você já imagina como anda minha ansiedade HAHAHAHA

Raquel disse... [Responder comentário]

Eu também não gostei muito de Antes que eu vá, mas quero muito ler Delírio que parece ser ótimo! É realmente estranho pensar em um mundo sem amor, como você mesma disse, não só entre casais, mas entre mãe e filho, né? É até difícil de imaginar algo assim!
Está na minha listinha de quero ler hihihi :)

Luana disse... [Responder comentário]

Eu estou louca para ler os livros dessa autora, principalmente esse, todo mundo tem falado bem, e eu já li tantas resenhas que estou um pouco cansada de ver os outros lendo e eu aqui sem poder. Adorei a sua resenha, ela apontou pontos que as outras não fizeram, ela foi uma das únicas que não me pareceu clonada.

beijos, Lu

Thaís Varine disse... [Responder comentário]

Eu ganhei esse livro de presente e estou com os dedos coçando pra poder ler. Estou quase colocando-o na frente de alguns que esperam na leitura muito antes de Delírio chegar kk

Eduarda Menezes disse... [Responder comentário]

Luzinha, como sempre sua resenha está ótima. Estou curiosa até certo ponto por Delírio, digo assim, pois já tive a oportunidade de ganhá-lo da minha mãe e acabei escolhendo outro, mas de qualquer forma pretendo lê-lo no futuro.
Adoro quando a autora consegue nos passar a emoção necessária para que nos sintamos inseridos dentro do mundo criado por ela, como se realmente a história pudesse existir, fosse algo tangível, e pelo visto a Lauren conseguiu fazer isso.
De qualquer forma fico curiosíssima para saber como ela conseguiu fazer para conquistar tantos leitores. Desde o começo o que mais me pergunto é como mais pessoas não haviam se revoltado antes quanto a essa intervenção, apenas algumas poucas como no caso da protagonista. Para mim parece tão irreal quando levado em conta que o momento onde nossos hormônios estão mais em ebulição e ansiosos por emoção é justamente na adolescência. Então com a intervenção sendo feita apenas aos 18 anos é estranho que não houvesse mais revoltosos pelo caminho; por mais que eu tente, acho que mesmo que fosse possível essa "cirurgia", não vejo como pudesse dar certo. Mas enfim... rs Quero ver se vai me convencer.
O Alex parece ser um fofo.
Ps. Adorei o quote!
Beijão!

disse... [Responder comentário]

Oi Lu, eu ameei sua resenha, ficou linda e realmente me deu vontade de ler Delírio haha
Eu não estava tão curiosa antes, acho que nenhuma resenha que vi conseguiu me deixar interessada. Eu não consigo imaginar um mundo sem nada de amor, mesmo achando que a nossa sociedade não tem muito amor de qualquer forma...
Quem sabe eu leio em breve, né?
Beijos

Vanessa disse... [Responder comentário]

Oi (:
Ain, eu amei Antes que eu Vá, mas achei que faltou algo em Delírio UASHAUHSU comigo foi o contrário do que aconteceu com você. É um bom livro, mas pra mim ainda faltou algo. Sempre falta algo, sou muito exigente, credo q UASHUAHSUA ótima resenha (:

Beijos, Vanessa.
This Adorable Thing

Bárbara Murat disse... [Responder comentário]

Tenho muita vontade de ler Antes Que Eu Vá e agora com sua resenha fiquei com mais vontade de ler Delírio, do que Antes Que Eu Vá.
Gosto de livros distópicos, ficar me imaginando no lugar da protagonista; no caso desse livro, sem amor, sem música, sem sonhos E SEM LIVROS! HAUHA.
Amei a resenha Luana, como sempre.

Beijos.

Tais Bruna Castro disse... [Responder comentário]

Eu amei esse livro e depois daquele final eu fiquei doida para ler Pandemônio, espero que a Intrínseca lance logo.
Ainda não li Antes de eu vá mais depois de Delírio fiquei com mais vontade ainda de ler.

bjs
Tais
http://www.leitorafashion.com.br

Camila Costa disse... [Responder comentário]

Lu ameei sua resenha de verdadee; essa coisa de uma história de amor e liberdade me fez querer ainda mais (se é que é possivel) ler o livro. Você falando dele me fez pensar em Destino um livro que eu simplesmente AMO.
Espero MEEESMO conseguir ler em breve (yn)

Ágata Bresil disse... [Responder comentário]

Oi Lu, quanto tempo. Sinto sua falta lá no blog. Sua sumida... mas li em um dos seus posts que está em ano de vestibular e sei como é isso então tá tudo bem. AUSHUAHSUAUHSUA

Estou louca para ler Delírio e distraída como sou, nem tinha me ligado que era a mesma autora de Antes Que Eu Vá, que é outro livro que estou louca para ler, acho que lerei o segundo primeiro, para que eu me surpreenda com a escrita da autora assim como você ao ler Delírio.

Só a sinopse do livro já é de conquistar qualquer leitor, mas não sei porque eu não tinha ideia de que essa sociedade eliminava QUALQUER tipo de amor... e esse fato me fez ter mais curiosidade ainda. Eu amei a sua resenha, DEMAIS. Agora vou ali ler outros posts seus ok?

Mil beijos e não suma mais, combinado?

Tudo Tem Refrão

Nuvem de Letras disse... [Responder comentário]

Olá (:
Tenho muita curiosidade para ler "Antes que eu vá", não me lembrava que "Delírio" pertencia à mesma autora. Com essa "onda" de livros distópicos, eu fico cada vez mais encantada com a abordagem que os autores dão ao "tema". Li o primeiro capítulo de Delírio e fiquei encantada. Ok que a capa é linda demais!! Mas a história + resenhas me deixam mais ansiosa para lê-lo.
Adorei sua resenha, como sempre, super completa; me deu uma perspectiva diferente da história, algumas coisas ainda não sabia e achei bem interessante. Talvez eu leia Antes que eu vá primeiro, estou numa fase de ler outros tipos de livros, mas esse é um daqueles que quero ler. Muito.

Beijos,
Daisy.
nuvemdeletras.blogspot.com

Priscilla Duhau disse... [Responder comentário]

Aaah, que resenha linda! *-* (como sempre, né?)
Eu comprei Delírio esses dias na Bienal do Livro daqui de Brasília e estava planejando ler ele daqui a pouco, mas como posso me segurar depois de uma resenha dessas? haha
Fiquei mega super hiper ultra curiosa agora! Realmente um livro que trata sobre o amor - da forma mais ampla, como você disse - deve ser um livro sensacional.
Obrigada por estar sempre incentivando minha leitura compulsória, haha.
Aaaah, e obrigada também por me apresentar simplesmente O MELHOR LIVRO DA MINHA VIDA, sem mais. "Precisamos Falar Sobre o Kevin" foi um divisor de águas pra mim, de verdade. Serei eternamente grata à Lu, aquela menina que escrevia resenhas maravilhosas e que conseguiam me fazer apaixonar por um livro. *-*

Beijão ♥
Priscilla Duhau
Livrificando

Aione Simões disse... [Responder comentário]

Lu, amei sua resenha!
Eu já sou doida há tempos pra ler esse livro e sei que ele vai mexer comigo, afinal, não consigo imaginar um mundo sem amor, já que esse é o maior e melhor sentimento em minha opinião. E me refiro, aqui, ao amor que você mencionou: o amor em seu sentido mais amplo, que abrange tudo e todos.
É muito bom ver a evolução dos autores em suas narrativas e é bom, também, quando captamos a evolução das personagens.
Quero ler e muito!
Beijão!

Ana Ferreira disse... [Responder comentário]

Lu, tenho uma teoria de que as resenhas ficam ainda melhores quando os resenhistas gostam do livro, passando um sentimento bom para quem as lê. Esse foi total e completamente o seu caso. A resenha ficou ótima e especialmente por causa dela, estou indo até a Saraiva ver se "Delírio" vai entrar no meu carrinho de compras. hahaha
Acho linda a ideia de Lauren Oliver em tornar o amor uma doença, em valorizá-lo tanto ao ponto que nós possamos enxergar plenamente a sua importância entre os homens e em tudo que fazemos. Amor é, acima de tudo, motivação e liberdade. E creio que "Delírio" reproduza isso muito bem.

Beijos!
Ana - Na Parede do Quarto

Natália Maia disse... [Responder comentário]

Ah, também gostei muito de Delirium. Na verdade, não aproveitei toda a poesia da história, achei devagar as vezes, mas aquele final...UAU. Compensou toda a ação do resto do livro! Tô louca pela continuação ;D
Natália Maia - viciadasemlivros.wordpress.com

Caline disse... [Responder comentário]

Eu me apaixonei por Antes que eu vá e mesmo os dias se repetindo várias vezes não me cansei, nada era do mesmo jeito.
Apesar de você dizer que nesse livro a narrativa é bem diferente tenho muita vontade de ler, acredito que vou gostar muito da leitura.
Estou tentando não criar muitas expectativas, tenho me decepcionado bastante quando isso acontece.

Beijos
Caline - Mundo de Papel

Nathalia disse... [Responder comentário]

Olá! :D
Eu não terminei Antes que eu Vá ainda pela sua lentidão, a repetição dos dias está me matando!
Eu não sabia a história de Delírio, mas agora estou apaixonada! Simplesmente adorei o tema abordado e fiquei muito curiosa com a evolução da personagem depois que se apaixona!

Vou tentar comprar e incluí-lo na lista de leitura já!

Beijos
Nathalia Duarte
www.mentalmorfose.com

Michelle' disse... [Responder comentário]

Oi Lu!
Amei sua resenha *-*
Só fiquei mais doida ainda pra ler Delírio, todo mundo fala tão bem e sua resenha só aprofundou o que as pessoas dizem.
Adoro distopias e o tema dessa me atrai muito. Não consigo imaginar um mundo sem amor, sem poder abraçar meus pais, meus amigos, sem poder sentir, é horrível.
Adoro livros que me deixam refletindo e mesmo sem ter lido, já fico pensando num futuro assim.
Preciso providenciar o meu logo! ^^
Beijinhos
Michelle, Minha Bagunça

Ruama disse... [Responder comentário]

Ameeeei a maneira como você tratou do livro no último parágrafo! Tô curiosa pra ler este livro já faz um tempinho, mas sua descrição e sobretudo sua avaliação me deixou mais curiosa ainda, haha! Quero ler!!!
Bjs, Ruama.
http://esquiloscorderosa-ruama.blogspot.com.br/

Postar um comentário

Os comentários serão retribuidos em seu blog, desde que não sejam de carater apenas de divulgação. Comente o que realmente achou! Obrigada :)